Anime & Mangá

Dragon Ball GT merece o ódio que recebe?

Publicado por

Dragon Ball de Akira Toriyama é praticamente um titã do universo anime, com uma oferta de conteúdo que soma mais de 12 dias ininterruptos de aventura, lutas e histórias épicas. Esse fenômeno não é apenas um dos pilares do gênero battle shonen, mas também um formador de tendências e inspiração para inúmeras outras obras ao longo de quase quatro décadas.

As conquistas de Dragon Ball são tantas que até mesmo seus deslizes, como Dragon Ball GT, parecem apenas pequenas pedras no caminho. Lançado apenas uma semana depois do encerramento de Dragon Ball Z, GT tentou trazer algo novo para a mesa, mas sem o envolvimento direto de Toriyama na história, acabou dividindo opiniões.

Há um retorno à aventura e um tom mais leve

Mesmo sendo o menor dos irmãos na família Dragon Ball, com apenas 64 episódios, Dragon Ball GT teve sua chance de brilhar, mesmo que por vezes parecesse ofuscado pelo sucesso e relevância de Dragon Ball Super. Super, vindo como uma sequência direta de Z, fez GT parecer ainda menos essencial, com alguns fãs chegando a questionar seu lugar no cânone oficial.

Mas olhando mais de perto, GT tem seus méritos, especialmente agora que Dragon Ball Super nos trouxe perspectivas que permitem valorizar a proposta de GT de uma maneira nova.

Dragon Ball GT tentou recuperar o tom aventureiro e mais leve dos primeiros dias de Goku, com um foco renovado em explorações galácticas e desafios menos bélicos. A transformação de Goku em criança, embora controversa, foi uma homenagem ao início da saga e abriu espaço para histórias com um ar mais inocente e exploratório.

No entanto, essa mudança significativa na atmosfera entre Z e GT foi, para muitos, difícil de digerir, especialmente para os fãs que acompanharam Goku desde sua juventude.

Goku e Vegeta têm uma revanche tão esperada

Um duelo memorável

Além da aventura, um dos pilares de Dragon Ball sempre foi a dinâmica entre seus personagens, especialmente a rivalidade entre Goku e Vegeta. Essa relação evoluiu de inimizade pura para uma amizade competitiva, culminando em duelos épicos que os fãs esperam ansiosamente.

Dragon Ball GT capitalizou essa expectativa com uma revanche tão aguardada durante o confronto com Baby, um vilão que trouxe Vegeta de volta ao papel de adversário, ainda que contra sua vontade. Essa batalha não apenas serviu para revisitar a competição entre os dois Saiyans mas também para explorar novos limites com a transformação em Super Saiyan 4.

A arte de reinventar vilões é um jogo delicado no mundo dos animes, e Dragon Ball é um mestre nesse ofício, tendo introduzido antagonistas que deixaram marcas indeléveis na memória dos fãs. Contudo, as críticas ao modo como Dragon Ball Super apresenta seus vilões não são raras. A sensação de déjà vu ao encontrar personagens como Moro, Gas, e até o retorno de Freeza em nova forma, desperta um certo desencanto, com muitos argumentando que essas figuras parecem recicladas de ameaças anteriores.

Dragon Ball GT traz de volta antigos vilões de novas maneiras

Dragon Ball GT, por outro lado, opta por uma abordagem diferente, trazendo de volta vilões conhecidos em contextos renovados, algo que se mostra mais cativante e bem-recebido. O show não se limita a copiar e colar as ameaças do passado, mas as reintegra de maneira que ressoa com a jornada contínua dos personagens e a evolução da narrativa.

A colaboração entre o Dr. Myu e o Dr. Gero no inferno, que resulta na criação de Super 17, é um exemplo perfeito dessa abordagem. Ao invés de simplesmente ressuscitar um favorito dos fãs, GT o reintroduz de uma forma que faz jus ao seu legado dentro da série. Essa habilidade de GT em tecer antigos vilões em novas tramas oferece uma experiência fresca e emocionante, proporcionando um fechamento que muitos vilões de Super parecem não conseguir.

Transformações e heranças

O legado do Super Saiyan 4

Transformações poderosas são um pilar de Dragon Ball, com cada nova forma buscando superar a anterior em espetáculo e poder. Enquanto Dragon Ball Super explora caminhos coloridos com o Super Saiyan God e Super Saiyan Blue, GT opta por um caminho mais orgânico com o Super Saiyan 4.

Essa transformação não apenas oferece um visual distintamente diferente, mas também se aprofunda nas raízes Saiyajin ao reintroduzir a cauda e a forma do Grande Macaco. Esse retorno às origens, combinado com a inventividade do design de Super Saiyan 4, ressoa profundamente com os fãs, que continuam a celebrar essa forma em jogos e discussões, demonstrando sua popularidade duradoura e impacto na cultura Dragon Ball.

O Peso das Esferas do Dragão

Reflexões e Consequências

Dragon Ball GT dá um passo além ao questionar a própria essência das Dragon Balls, explorando as implicações de seus desejos frequentemente egoístas. O confronto com os Shadow Dragons serve como um espelho para as ações passadas dos personagens, confrontando-os (e aos espectadores) com as consequências de seus desejos.

Essa abordagem filosófica não apenas adiciona profundidade à narrativa mas também instiga uma reflexão sobre a responsabilidade que acompanha tais poderes. Ao final, GT sugere que talvez seja hora da humanidade seguir sem depender das esferas mágicas, uma mensagem poderosa que contrasta com a tendência de Super em ampliar os poderes e possibilidades das Dragon Balls sem considerar as repercussões.

Dragon Ball GT merece o ódio que recebe?

Dragon Ball GT, com todas as suas imperfeições e desvios, oferece uma perspectiva única e valiosa sobre o que significa avançar e evoluir dentro do universo de Dragon Ball.

Ao trazer de volta vilões conhecidos de maneiras novas e inventivas, desafiar o status quo das transformações Saiyajin, e refletir sobre o peso das escolhas feitas com as Dragon Balls, GT se destaca como um experimento audacioso que, apesar das críticas, merece reconhecimento por sua contribuição à saga Dragon Ball. Enquanto os fãs debatem o lugar de GT no cânone, sua disposição em arriscar e inovar oferece lições valiosas sobre como a série pode continuar a evoluir e cativar gerações futuras.

GT talvez não tenha sido o capítulo mais brilhante na história de Dragon Ball, mas certamente adicionou camadas interessantes à sua tapeçaria rica e diversificada. As aventuras galácticas, o retorno ao tom aventureiro e as batalhas épicas entre personagens queridos mostram que, mesmo nos seus desvios, a essência de Dragon Ball continua a inspirar e a entreter.

Dragon Ball GT, com todas as suas imperfeições, ainda é uma parte valiosa da saga que merece ser reconhecida por sua contribuição única ao universo Dragon Ball.

Leia mais: 10 razões pelas quais Dragon Ball GT é extremamente subestimado

Daniel Oliveira

Criador e escritor do site animerant.com.br. O site foi criado exclusivamente para comentar sobre os animes e mangás e oferecer entretenimento geek para os entusiastas do meio.

Publicado por

Posts recentes

Criador de One Piece revela qual personagem mais o incomoda na série

Eiichiro Oda, o cara por trás de One Piece, revelou para os fãs quem é…

09/04/2024

Spoilers completos do capítulo 256 de Jujutsu Kaisen

Saíram os primeiros spoilers do capítulo 256 de Jujutsu Kaisen. Confira abaixo! Pagina 1 O…

04/04/2024

A terceira temporada de Jujutsu Kaisen será a melhor até agora

Jujutsu Kaisen mal acabou de fechar o capítulo da sua segunda temporada e já está…

28/03/2024

Jujutsu Kaisen: Quem são os feiticeiros mais fortes do final da série?

Jujutsu Kaisen tá no meio do arco Shinjuku Showdown e, a cada novo capítulo, parece…

28/03/2024

One Piece: Qual é o verdadeiro objetivo do Gigante de Ferro?

No universo de One Piece, o Gigante de Ferro virou o centro das atenções, e…

28/03/2024

Jujutsu Kaisen perdeu oficialmente o que o tornava tão bom

Parece que Jujutsu Kaisen estava no topo do mundo, com todo mundo na expectativa pela…

28/03/2024

Usamos cookies para garantir que oferecemos a melhor experiência em nosso site.

Leia mais