Anime & Mangá

Os personagens trans de My Hero Academia estavam muito à frente de seu tempo

Publicado por

Com um dos maiores elencos de personagens no mundo dos mangás, é natural que My Hero Academia abrace a diversidade humana, incluindo a comunidade LGBTQ+.

Embora a indústria de mangás no Japão não seja conhecida por sua abertura em relação a tópicos sensíveis, como a diversidade sexual, o criador do mangá, Kohei Horikoshi, tomou a iniciativa de incluir personagens LGBTQ+ em sua narrativa, desafiando as normas.

Um exemplo notável é Yawara Chatora, também conhecido como Tiger, membro da equipe pró-herói Wild, Wild Pussycats, introduzido no capítulo 72.

O modo como ele desafia os estereótipos de gênero, ao preferir usar minissaias, é uma clara manifestação de sua identidade de gênero. Embora a história não aborde explicitamente sua identidade, a descrição oficial no mangá revela sua jornada de transição realizada na Tailândia.

Heróis e vilões transgêneros de My Hero Academia

Outro exemplo é Kenji Hishiki, conhecido como Magne, da Liga dos Vilões. A expressão de sua identidade de gênero é mais sutil, mas ainda perceptível para leitores atentos.

Apesar de sua aparência masculina, suas interações com sua equipe e seu Quirk magnético, que repele pessoas do mesmo sexo, indicam sua identidade transgênero.

Embora esses personagens tenham um papel coadjuvante, eles desempenham um papel importante na representação LGBTQ+ no mangá.

Contudo, a inclusão de personagens transgêneros pode passar despercebida, devido à falta de destaque e ao fato de que pistas são integradas naturalmente à história.

Kohei Horikoshi parece estar ciente da importância de representação mais visível. Através do personagem Minoru Mineta, membro da Classe 1-A, ele sutilmente explora a sexualidade.

No capítulo 321, durante uma batalha, Mineta deixa escapar seus sentimentos por Deku, sugerindo bissexualidade. Embora não haja confirmação definitiva, o debate em torno disso mostra como o mangá está avançando na representação LGBTQ+.

My Hero Academia não apenas oferece uma emocionante narrativa de super-heróis, mas também está desbravando novos caminhos na inclusão.

Ao incorporar personagens transgêneros e explorar sutilmente a sexualidade, o mangá destaca-se como um pioneiro na representação LGBTQ+.

Siga-nos no Google News para receber as últimas notícias de anime.

Matheus Gimenez

Escritor do animerant.com.br e um entusiasta do universo dos animes que não curte muito mangás, mas quando pega para ler, termina em pouquíssimo tempo.

Publicado por

Posts recentes

10 coisas em Dragon Ball Super que os fãs odiaram

Dragon Ball Super trouxe uma nova vibe ao universo Dragon Ball, criado por Akira Toriyama.…

25/02/2024

One Piece: Eiichiro Oda revela o verdadeiro motivo para Zoro ter três espadas

Eiichiro Oda, o criador de One Piece, compartilhou o porquê de Zoro ter três espadas,…

25/02/2024

Dragon Ball Super: Nova transformação de Gohan confirma a teoria antiga do Goku

No mangá de Dragon Ball Super tá rolando um embate épico que muita gente tava…

25/02/2024

7 coisas que o criador de Dragon Ball esqueceu

Dragon Ball é um fenômeno mundial, cativando fãs com suas histórias empolgantes, personagens memoráveis e…

25/02/2024

One Piece: Oda conta de onde veio a ideia do Gear 2 do Luffy

O Luffy, aquele pirata top de One Piece, não começou sua jornada sendo o cara…

25/02/2024

One Piece 1109: O que esperar do capítulo?

Os fãs de One Piece estão na maior expectativa pelo capítulo 1109. A trama na…

25/02/2024

Usamos cookies para garantir que oferecemos a melhor experiência em nosso site.

Leia mais