Anime

Os 10 maiores retcons de Dragon Ball que realmente tornaram a franquia melhor

Pensar que Akira Toriyama, o cérebro por trás de Dragon Ball, tinha toda a saga mapeada desde o início é meio utópico, né? Mas o cara soube manter a essência da jornada do Goku, e isso é algo que Dragon Ball Super capta até hoje, mantendo a vibe da série clássica. Com o passar dos anos, Dragon Ball evoluiu, e com essa evolução, algumas mudanças significativas foram necessárias para manter a história interessante e nossos personagens favoritos em ação.

Toriyama, sempre atento às regras do universo que criou, teve que fazer alguns ajustes aqui e ali, os famosos retcons. Essas mudanças podem deixar a galera meio dividida, com alguns achando que é trapaça para sair de um beco sem saída. Porém, o Toriyama tem um jeitão de fazer esses ajustes que, no fim, acabam enriquecendo Dragon Ball. Mesmo que a princípio pareça uma bagunça, muitas dessas reviravoltas acabam sendo acertos.

Relacionado: 10 personagens mais fortes do multiverso Dragon Ball (sem contar anjos ou deuses)

10. As Transformações Super Saiyan Vêm das Células S

A Biologia dos Saiyajins e o Legado Super Saiyan

As transformações Super Saiyan são tipo o auge do hype em Dragon Ball, mas a explicação por trás dessas mudanças foi se adaptando com o tempo. Primeiro, a ideia era que um Saiyan precisava de um empurrãozinho emocional forte para alcançar esse nível. Isso ficou claro com Goku, Vegeta, Trunks do Futuro e Gohan. Porém, Dragon Ball Super veio e disse: “Na verdade, é tudo sobre as células S no corpo dos Saiyajins“. Quanto mais pacífico o Saiyan, tipo os do Universo 6, mais células S eles têm, e isso facilita a transformação.

Esse conceito permitiu que personagens como Cabba, Kale e Caulifla dominassem as transformações Super Saiyan fácil, fácil, sem precisarem passar por aquele drama todo. Alguns fãs torceram o nariz, comparando com a história dos midi-chlorians de Star Wars. Mas, olhando de perto, essa nova camada de compreensão sobre os Saiyajins até que adiciona um tempero interessante à série, sem tirar o valor dos gatilhos emocionais, como vimos com Broly no filme Dragon Ball Super: Broly.

9. A Câmara do Tempo Hiperbólico e Suas Novas Regras

Flexibilizando o Treinamento Intensivo

Dragon Ball sempre foi criativo em encontrar jeitos para os personagens turbinarem suas habilidades rapidinho. A Câmara do Tempo Hiperbólico é um exemplo clássico, permitindo um ano de treino em apenas um dia. Inicialmente, havia uma regra rígida: só podia usar a câmara duas vezes. Mas aí veio Dende, o novo Guardião da Terra, e fez um upgrade na câmara, tirando esse limite.

Agora, os guerreiros podem passar até três dias lá dentro, sem restrição de quantas vezes querem entrar. Vegeta, por exemplo, já usou essa regalia cinco vezes. E tem mais, existem outras “Câmaras do Tempo” por aí, o que explica como Freeza conseguiu ficar dez anos treinando para virar o Black Frieza. Essa flexibilização das regras não só beneficia os heróis mas também dá aos vilões a chance de chegar a novos níveis de poder.

8. A Nobreza Saiyajin de Vegeta

De Vilão a Herói: A Ascensão de um Príncipe

Lembram quando Vegeta chegou em Dragon Ball Z com aquela vibe de vilão pesadão? Foi uma reviravolta e tanto ver ele se transformando num dos grandes heróis da Terra. A entrada triunfal ao lado de Nappa, determinado a concluir o que Raditz falhou, marcou o início de sua jornada. Mas aí, Dragon Ball vai e revela que o Planeta Vegeta, lar dos Saiyajins, tem toda uma hierarquia social, com o Vegeta lá no topo, graças ao seu pai, o Rei Vegeta. Isso dá um peso todo especial para ele, não é só um guerreiro qualquer; ele é um príncipe.

Essa pegada de nobreza adiciona uma camada de complexidade ao personagem, mostrando o quanto é difícil para ele lidar com a derrota para Goku, que é visto como um Saiyajin de classe baixa. A jornada de Vegeta de entender que status e poder não são tudo é fascinante, especialmente porque ele tem que se adaptar à vida na Terra, onde essa nobreza Saiyajin não vale muita coisa. Além disso, ver Vegeta lutando contra tiranos como Freeza e Beerus, carregando o legado de seu povo e planeta, dá um drama todo especial à sua história.

7. O Mito do Deus Super Saiyajin

A Transformação Divina Além do Ritual

Dragon Ball Super elevou o nível com a chegada de Beerus, o Deus da Destruição, que tava louco para lutar contra um Deus Super Saiyajin. A série já tinha explorado um monte de transformações, mas essa ideia de Deus Super Saiyajin era novidade. O ritual que permitiria a transformação de Goku em um Deus envolvia seis Saiyajins de coração puro, incluindo Goku, que recebe a energia dos outros para enfrentar Beerus. Momento épico, né?

Mas aí, Dragon Ball Super: Broly vem e mostra que Vegeta também alcançou esse nível, sem precisar do ritual. Isso nunca tinha sido mencionado antes, e é um testemunho da determinação de Vegeta. Essa mudança é interessante porque abre a porta para mais Saiyajins alcançarem esse nível divino, mostrando que Vegeta não é de subestimar.

6. A Verdade Sobre as Fusões Potara

Mudanças nas Regras da Fusão Eterna

A fusão é um daqueles conceitos que Dragon Ball Z introduziu e que pegou de jeito. Goku e Vegeta se fundindo com os Brincos Potara era algo novo, uma união que era para ser permanente, diferente da dança de fusão que tinha tempo limitado. Mas aí, depois de serem absorvidos por Super Buu, eles se separam, e mais tarde, Dragon Ball explica que a fusão Potara é permanente só para o Supremo Kai e outras divindades.

Isso quer dizer que personagens como Vegito e Kefla podem usar os Brincos Potara sem se preocupar em ficar fundidos para sempre. Até mesmo Kibito e o Supremo Kai conseguem se separar com um desejo. Essa flexibilidade com as fusões permite explorar diferentes combinações sem grandes consequências permanentes.

5. A Hierarquia Celestial de Dragon Ball

A Evolução do Poder Supremo

É meio doido pensar que Dragon Ball começou como um anime mais pé no chão, sem muita viagem espacial ou multiverso. No começo, Kami era visto como a autoridade máxima. Depois, Dragon Ball Z nos introduziu ao Rei Yemma e ao Rei Kai, expandindo nossa visão do além. Mas não parou por aí; a série continuou crescendo, e figuras como o Grand Kai, que parecia ser o topo da cadeia, foram apenas o começo.

Dragon Ball Super levou as coisas para outro nível, apresentando Deuses da Destruição, Anjos, Grandes Sacerdotes e o Omni-Rei, Zeno. Esse aumento na hierarquia celestial faz sentido num universo tão vasto e é interessante ver como a série expandiu sua visão sobre quem realmente manda no universo.

4. O Legado Protetor de Bardock para Goku

Desejos Paternais Além do Tempo

Bardock é uma daquelas figuras que captura a imaginação dos fãs de Dragon Ball. Embora tenha morrido antes mesmo de a franquia começar a rolar, Dragon Ball Super deu um jeito de trazer um pouco mais dele até nós. Numa volta ao passado, Bardock ganha uma nova cara, mais parecida com a bondade que a gente vê no Goku do que com o típico Saiyajin guerreiro que a gente estava acostumado. Essa nova interpretação de Bardock não é só um retcon interessante; vai além ao introduzir um desejo de Dragon Ball feito por ele após o nascimento do Goku.

Esse desejo, feito ao Dragão Eterno do Planeta Cereal, era para que seus filhos prosperassem. Apesar de ser um pedido meio aberto, muitos acreditam que isso influenciou todas as vitórias do Goku ao longo da vida. Claro, o Goku não é invencível, e esse desejo também deveria valer pro Raditz, que não teve um final muito feliz. Mas esse gesto mostra que Bardock sempre teve um olhar cuidadoso sobre o Goku, marcando sua vida de uma maneira única, apesar deles nunca terem se conhecido.

3. Vilões e a Vida Após a Morte

Corpos Além da Morte: Uma Reviravolta nas Regras

Dragon Ball Z não perde tempo em subverter as expectativas quando mata o Goku logo no começo. Mas a morte, ironicamente, abre portas para explorar o além de uma forma rica e complexa. Goku mantém seu corpo após a morte, um privilégio que, segundo o Rei Yemma, não é estendido aos malvados. Porém, essa regra parece flexível, já que, em visitas posteriores ao outro mundo, vemos vilões mantendo suas formas físicas.

A morte do Vegeta na Saga Buu é um momento chave que sinaliza sua redenção, transformando-o oficialmente em herói. Mas aí a gente vê Freeza, Cell e a turma do mal por aí, todos de corpinho presente no além. Manter a forma física permite que esses personagens continuem a impactar a história, mesmo depois da morte, dando um peso maior para seus retornos.

2. Beerus e o Destino do Planeta Vegeta

Uma Ordem Divina para a Destruição

A revelação de que Freeza destruiu o Planeta Vegeta é um daqueles momentos “uau” em Dragon Ball Z, estabelecendo-o como um vilão de verdade aos olhos dos Saiyajins, especialmente do Vegeta. Mas Dragon Ball Super adiciona uma camada extra nisso ao revelar que Lord Beerus, o Deus da Destruição, tinha um dedo nessa história. Beerus, ao acordar de seu longo sono, indaga sobre o Planeta Vegeta e descobre que Freeza já tinha resolvido o assunto.

A ideia de que Freeza era só uma peça no xadrez de Beerus dá um novo peso à presença do Deus da Destruição. Isso não só faz de Beerus uma figura mais complexa e temida mas também explica o medo que Vegeta tem dele. Uma jogada de mestre que enriquece ainda mais o universo de Dragon Ball.

1. A Revelação Saiyajin de Goku

A Origem Extraterrestre de Goku

A cauda de Goku e sua força incomum sempre o destacaram, mas nada em Dragon Ball original dava a entender que ele não fosse humano. Então, Dragon Ball Z chega com a bomba: Goku é um alienígena, um Saiyajin. O encontro com Raditz abre um universo de possibilidades, transformando a trajetória de Goku e colocando os Saiyajins no centro da ação.

Esse retcon não só expande o lore de Dragon Ball, como também define o futuro da série, levando Goku e seus amigos pelo espaço e introduzindo uma gama de inimigos Saiyajins. O conflito interno de Goku com sua herança Saiyajin se torna um dos aspectos mais interessantes da série, mostrando como Dragon Ball se transformou graças a essa reviravolta.

Leia também: O maior Retcon de Dragon Ball tornou Bills canônico durante os eventos de ‘DBZ’

Daniel Oliveira

Criador do animerant.com.br. Desenvolvedor e webmaster que trabalha como escritor e principal editor de notícias para o site.

Compartilhar
Publicado por

Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.

Política de Privacidade