Anime

Este foi o folclore japonês que inspirou Inu-Oh e Dororo

“Dororo”, obra-prima de Osamu Tezuka, lançado originalmente no Weekly Shonen Sunday, não teve uma trajetória fácil no início. Contudo, o título encontrou uma nova vida e reconhecimento décadas depois, principalmente com a adaptação aclamada de 2019 pelo estúdio MAPPA.

Além disso, dois anos após esse renascimento, “Inu-Oh”, produzido pela Science SARU, ressoou entre os críticos, trazendo temas e personagens com ecos notavelmente semelhantes ao trabalho anterior de Tezuka.

Ambos os títulos apresentam protagonistas enfrentando adversidades nascidas de maldições terríveis. Em “Dororo”, Hyakkimaru, nascido sem membros devido a um pacto demoníaco de seu pai, embarca em uma jornada épica ao lado do pequeno ladrão Dororo, buscando recuperar seu corpo, peça por peça.

Especificamente, um jogador cego de biwa, figura recorrente na literatura japonesa, desempenha um papel crucial na narrativa.

De acordo com o enredo de “Inu-Oh”, o personagem principal, também vítima de uma maldição familiar, forma um vínculo inquebrável com Tomona, um músico cego. Juntos, cantam histórias do clã Heike, eternizado no “Heike Monogatari”.

Apesar de suas semelhanças, Dororo e Inu-Oh contam histórias muito diferentes

No entanto, por mais que existam semelhanças evidentes, os dois animes divergem consideravelmente em suas abordagens e mensagens.

Por um lado, “Dororo”, apesar de seus tons sombrios, mantém um coração de aventura, enquanto “Inu-Oh” aborda temas profundos como a arte, o poder e a integridade.

Afinal, enquanto Dororo e Hyakkimaru buscam entender a verdadeira essência da humanidade, Inu-Oh e Tomona questionam a relação entre arte e autoridade.

Da mesma forma, ambos os títulos podem ter raízes na história e no folclore japonês, com jogadores de biwa desempenhando papéis significativos, mas é inegável que eles contam histórias distintas.

Por outro lado, mesmo que compartilhem semelhanças, é essa singularidade que faz de cada um uma obra-prima por mérito próprio.

Por fim, a rica versão da cultura japonesa deu origem a narrativas poderosas como “Dororo” e “Inu-Oh”. Ambos são testemunhos da habilidade de contar histórias do Japão e da capacidade dos artistas de reinventar e reinterpretar contos centenários para novas gerações.

Leia também:

Matheus Gimenez

Escritor do animerant.com.br e um entusiasta do universo dos animes que não curte muito mangás, mas quando pega para ler, termina em pouquíssimo tempo.

Compartilhar
Publicado por

Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.

Política de Privacidade