Anime

A arte da subversão: como One Piece vira os tropos Shonen de cabeça para baixo

Não há como negar: One Piece não é apenas mais um nome na indústria do mangá shonen; é um pilar desse gênero. Mesmo após quase 30 anos em circulação, continua a ser uma força indomável em vendas e impacto cultural. Mas o que torna One Piece tão especial em um mar de mangás shonen?

Desconstruindo Heróis: A Perspectiva Única de Luffy

Reprodução: One Piece

Em muitos mangás shonen, os protagonistas são alimentados por aspirações heroicas. Temos Goku, empenhado em proteger a Terra; Deku, de My Hero Academia, sonha em ser um símbolo de paz; e Tanjiro, de Demon Slayer, se esforça para salvar sua irmã. Luffy, por outro lado, não almeja ser um herói.

Quando indagado por Jinbe sobre isso na saga da Ilha dos Tritões, Luffy responde que preferiria comer carne a dividi-la como um “herói” faria. Esse é Luffy em sua essência: suas ações não são por altruísmo, mas sim orientadas por seus próprios desejos e pelos laços que tem com seus amigos.

Quem Usa o Chapéu Branco? Ambiguidade Moral em One Piece

Reprodução: One Piece

Outra característica que distingue One Piece é a nuance moral. Enquanto a maioria dos mangás shonen categoriza claramente heróis e vilões, One Piece opera em áreas cinzentas. Luffy e sua tripulação são tecnicamente criminosos, mas isso não os torna malévolos.

Em contrapartida, nem todos os membros da Marinha, supostos mantenedores da ordem, são justos ou bons. Os personagens flutuam em um espectro moral que varia entre piratas como Kaido e Doflamingo, que são decididamente maus, e marinheiros como Garp e Koby, que genuinamente desejam fazer o bem.

Dando Adeus aos Arcos Convencionais de Treinamento e Torneio

Reprodução: One Piece

Se você é fã de mangás shonen, está familiarizado com os infames arcos de torneios e treinamento. Seja em Naruto, Dragon Ball ou My Hero Academia, esses arcos são quase um rito de passagem.

One Piece, no entanto, evita esses clichês. Qualquer treinamento que os personagens façam ocorre “fora das câmeras”, dando a impressão de que eles crescem em seu próprio tempo. Quanto a torneios, o mais próximo que chegamos é o miniarco Davy Back Fight, que mais se assemelha a uma série de desafios peculiares entre piratas do que a um torneio convencional.

O Equilíbrio entre Inovação e Tradição

Mesmo sendo inovador, One Piece não consegue — nem tenta — fugir de todos os elementos que compõem um mangá shonen. Ainda há histórias trágicas de origem, técnicas especiais gritadas em momentos críticos e monólogos dramáticos. Mas a série se destaca por caminhar na linha tênue entre seguir regras e quebrá-las, abrindo caminho para obras posteriores que se inspiram em sua abordagem única, como Attack on Titan e Chainsaw Man.

Em resumo, One Piece é um fenômeno não apenas por sua longevidade, mas também por sua capacidade de reinventar e questionar as convenções do gênero shonen. O mangá não apenas adere às normas, mas também as desafia, e é esse equilíbrio que mantém One Piece navegando com sucesso pelas águas tumultuadas do mundo shonen.

Siga-nos no Google News para receber as últimas notícias de anime.

Daniel Oliveira

Criador do animerant.com.br. Desenvolvedor e webmaster que trabalha como escritor e principal editor de notícias para o site.

Compartilhar
Publicado por

Este site utiliza cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.

Política de Privacidade