Anime & Mangá

9 coisas que o mangá de Naruto faz melhor que o anime e você não sabia

Naruto é um nome ecoa como uma lenda no universo do anime, não é mesmo? Imagina só: mesmo anos após o grande final, essa série ainda segura a barra como uma das mais queridinhas entre os fãs de anime. E olha que não estamos falando de qualquer sucesso passageiro.

Naruto chegou chegando no começo dos anos 2000, abrindo caminho entre os “Três Grandes” e, caramba, como não se impressionar? Personagens que parecem que foram esculpidos à perfeição, batalhas de tirar o fôlego e um enredo que… bom, só quem viu, sabe.

O Mangá X o Anime

Mas olha só, mesmo com toda essa fama, nem tudo são flores. A série, por mais incrível que seja, enfrentou seus desafios, principalmente quando o assunto é orçamento. A adaptação do mangá pro anime teve seus altos e baixos, com algumas limitações bem evidentes.

Mas vamos combinar, isso não tira o brilho de Naruto. Afinal, dublagem top, trilha sonora que fica na cabeça e uma estética visual de cair o queixo não são pra qualquer um. Mesmo assim, tem uns detalhes no mangá que, sei lá, têm um charme que o anime não conseguiu capturar.

9. O mangá tem melhor ritmo

O mangá, por exemplo, tem um ritmo que é outra história. Quem acompanhou sabe bem do que estou falando: o anime às vezes se arrasta mais que conversa de whatsapp com crush que não tá tão a fim. Flashbacks, cenas longas, diálogos que parecem não levar a lugar algum… No mangá, o Masashi Kishimoto não tinha tempo pra enrolação. Cada capítulo tinha que valer a pena, então o ritmo é aquele que não te deixa largar.

8. Arte superior

E a arte? Ah, a arte do mangá é de outro nível. A realidade por trás das cenas de anime é meio dura: animadores às vezes sobrecarregados, correndo contra o tempo e, vamos ser honestos, nem sempre sendo reconhecidos como deveriam.

Isso sem falar no desafio de manter o estilo do Kishimoto. O mangá não sofre desse mal. É uma visão única, consistente, que realmente faz jus à história.

7. O mangá tem uma narrativa melhor

Quando o papo é narrativa, o mangá também leva vantagem. Parece que a indústria do anime aprendeu um pouco com o passado, tentando evitar os famosos fillers, mas Naruto sentiu o peso disso. O mangá é direto, sem rodeios, fazendo a história fluir de um jeito que, bom, só lendo pra entender.

6. Não há flashbacks desnecessários

E os flashbacks, meu Deus, os flashbacks. Naruto até que tentou fazer um uso inteligente deles, mas às vezes parecia mais replay de jogo de futebol que outra coisa. No mangá, isso é mais equilibrado, mostrando só o que realmente importa.

5. Desenvolvimento de personagem

Fala sério, qualidade de animação e uma dublagem que arrepia são essenciais, mas não dá pra negar que, em alguns momentos, Naruto deixa a desejar no quesito desenvolvimento de personagem.

Parece que tem um abismo entre entender de verdade o que se passa na cabeça de cada um na série e o que a gente vê na tela. Por mais que o anime tenha tentado trazer um pouco do conteúdo dos romances leves, muita coisa ficou de fora, e, com isso, perdeu-se um monte de desenvolvimento crucial, principalmente para personagens como a Sakura, que, vamos combinar, merecia mais.

4. Sem clichês

E quando o assunto é clichê, o anime de Naruto parece que pegou o caminho mais fácil, enchendo a gente de estereótipos. Mas aí você vai no mangá e pah: o Naruto não é só o doido por Ramen, a Sakura não vive só pra bater nos amigos, e o Sasuke… bem, o Sasuke faz um tiquinho mais de sentido. É impressionante como detalhes assim transformam a percepção dos personagens.

3. O mangá se concentra nos detalhes mais sutis

Se tem uma coisa que o mangá faz como ninguém é prestar atenção aos detalhes. Aquelas cenas épicas, então? No mangá, cada traço adiciona uma camada de profundidade que, muitas vezes, o anime não consegue replicar. E não é só nas lutas não, viu? Estamos falando de expressões, de momentos que, por mais breves que sejam, dizem muito.

2. A magia da consistência

E por falar em detalhes, consistência é a palavra-chave quando se trata do mangá. O Kishimoto, mesmo na correria, conseguiu manter uma linha tão… sei lá, coesa, que a gente até esquece das loucuras de prazo e produção.

No anime, essa consistência às vezes dava uma balançada, dependendo do episódio ou de quem estava no comando da animação. Mas no mangá? É outra história. A sensação de acompanhar algo fiel, do começo ao fim, é um conforto que só quem lê sabe.

1. Os leitores podem seguir seu próprio ritmo

E aí chegamos num ponto que talvez seja o mais democrático de todos: o ritmo de consumo. No mangá, quem manda é você. Quer ficar meia hora analisando uma página? Beleza. Prefere devorar capítulos como se não houvesse amanhã? Também pode.

O anime, por outro lado, te leva numa viagem com tempo marcado, sem espaço pra muita personalização. E olha, pra quem não tem paciência pra filler ou que se irrita quando algo importante passa voando, o mangá é uma benção.

Então, é isso. Naruto tem seus altos e baixos, mas uma coisa é certa: se você quer mergulhar de cabeça e entender cada detalhe, cada pensamento e cada nuance dos personagens, o mangá tá aí, de braços abertos, te esperando pra explorar esse mundo no seu próprio tempo. E acredite, vale cada página.

Leia também: Naruto: 8 personagens que Kishimoto desperdiçou o potencial

Siga-nos no Google News para receber as últimas notícias de anime.

Daniel Oliveira

Criador do animerant.com.br. Desenvolvedor e webmaster que trabalha como escritor e principal editor de notícias para o site.

Compartilhar
Publicado por
Tags: naruto